Sobre Formatação de TCCs e Projetos de Pesquisa

Escrevo esta nota direcionada àqueles que estão em processo de elaboração de projetos de pesquisas e de TCCs. Especialmente meus alunos das aulas da disciplina de metodologia de pesquisa. Ao longo de minha experiência com as aulas da disciplina e também com orientações de TCCs e Iniciação Científica, a preocupação preponderante da maioria dos alunos é com a questão da formatação dos trabalhos. As famosas normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. E a preocupação é tamanha que beira ao sequestro quase total da atenção dos alunos com a elaboração dos trabalhos. E é justamente nesse ponto que reside o problema.

Não é sem razão que a preocupação deles procede. Trabalhos acadêmicos compõem-se de conteúdo e forma. E a formatação de trabalhos acadêmicos envolve grande número de regras e especificidades, é atividade que consome tempo e, na maioria das vezes, é enfadonha. Contudo, em minha avaliação, deve ser preocupação de segundo plano (o que não significa ser menor em importância). Digo isso a eles nas aulas. No primeiro plano das preocupações com a elaboração de trabalhos acadêmicos deve figurar o CONTEÚDO, que envolve uma série de operações intelectuais menos técnicas e mais criativas (a ideia, a abordagem, o planejamento, as fontes, os dados e sua coleta, a análise, a redação, o estilo, enfim...). Tendo o conteúdo estruturado, parte-se, então, para a formatação.

E há alternativas interessantes e menos trabalhosas de se proceder a formatação. Vou dar algumas poucas dicas nesse sentido. A primeira delas é contratar o serviço de especialistas para formatar o trabalho. Há custos envolvidos. Creio que em todas as faculdades e universidades há a oferta desse tipo de serviço. É preciso, entretanto, cuidar com a qualidade do serviço. Certificar-se de que o prestador do serviço tenha experiência é importante.

Outra dica é buscar materiais de apoio em alguns bons sites e blogs sobre pesquisa. Por exemplo: o blog Prática da Pesquisa, do prof. Alejandro K. Arrabal, oferece várias dicas práticas e também um arquivo pré-formatado com o padrão normativo da ABNT em Microsoft Word. É só fazer o download do arquivo e aprender a usar. Como última dica, há alguns sites que são plataformas online para formatação de trabalhos. Dentre eles recomendo o Mettzer, que é bastante intuitivo e tem uma interface bem amigável. No Mettzer há uma versão de adesão gratuita, mas bem limitada, e outra paga (e não tão cara), mais vantajosa em minha opinião.

Trato sempre de dialogar com meus alunos a respeito dessas opções em minhas aulas. E cobro deles tanto conteúdo quanto forma. Aviso aos leitores, todavia, que ao tratar dessas opções com os alunos não implica compreender que o conteúdo sobre normas de formatação está ausente do conteúdo programático. Ele é tratado, mas com a devida e necessária ênfase. Por fim quero dizer que em qualquer situação - do faça você mesmo ao pague para fazer - é importante que se tenha razoável noção sobre o conteúdo das normas. Até mesmo para que, no caso de optar por pagar pela formatação, poder conferir a qualidade do serviço comprado.